WEBMAIL FALE CONOSCO
 
    HOME     MANICORÉ     AMAZONAS     NOTÍCIAS     POLÍTICA     EDUCAÇÃO     SAÚDE     CLASSIFICADOS     OPINIÃO     ENTRETENIMENTO     FOTOS & FESTAS     PUBLICIDADE     QUEM SOMOS
BEM VINDO - MANICORÉ, .  

notícia publicada em 15/08/2013 às 12:03:26

Parabéns Manicoré pelos seus 117 anos de Cidade
Após assinar a Lei Estadual o governador do Amazonas, Dr. Eduardo Ribeiro, elevou a vila de Nossa Senhora das Dores à categoria de Cidade em 15 de Agosto de 1896.
 
Gabriel Caetano
  
 
 Créditos da Foto: Gabriel Caetano (Vista aérea da Cidade de Manicoré) 

Nesta quinta-feira (15) o município de Manicoré completou o seu 117º aniversário de Categoria. Os eventos começaram ainda pela parte da manhã na Praça da Bandeira com a Solenidade Cívica.

Para saber um pouco mais das antigas histórias da Cidade, a reportagem do site “Folha de Manicoré”, procurou o escritor, jornalista, pesquisador e historiador Arindal Vinícius da Fonseca Reis, para relatar sobre histórias antigas, pois, o mesmo é considerado um dos únicos e maiores historiadores ainda existentes em Manicoré.

As informações trazidas neste texto foram extraídas de uma entrevista com o senhor Arindal, disponível segundo o historiador, em uma de suas obras literária chamada “Histórias do Nosso Chão”. A denominação de “Manicoré” é dada à população e à freguesia e provém do Rio Manicoré. O nome do rio procede de “Anicoré”, tribo indígena que habitava a região e que em 1637 recebeu na região a expedição de Pedro Teixeira.

As primeiras explorações ao Rio Madeira deram-se em 1616, porém, a mais importante aconteceu em 1722, pelo Sargento Mor Paraense, Francisco Melo Palheta, que por ordem do Governo da província do Maranhão João de Maya Gama, partiu do maranhão em 11 de novembro 1722 com uma frota de embarcações, “Galera Grande” e embarcações movidas à vela, remo faia, três Galiotas (batelão) e uma canoa grande com um armazém de mantimentos para a viagem.

Em 1859 desembarcaram do Grão-Pará e Maranhão os rebeldes. Entre eles encontrava-se Antônio Pedro de Aguirre, porém, este não chegou ao seu destino. Não se sabe os motivos certos que ele e sua mãe, Antônia Aguirre, que acompanhava seu filho, foram deixados na foz do Rio Anicores, onde logo se juntaram aos nativos da região e formaram um Arraial.

O arraial prosperava a cada dia e com a chegada ao local do Tenente Coronel Manoel Pereira de Sá, herói da guerra do Paraguai, que se juntou aos Caboclos do arraial de Aguirre. Vendo que o local não era propício para a fundação de uma cidade, um certo dia o coronel reuniu a população e explicou que aquele local estava sujeito às grandes enchentes e que todos moradores deviam se mudar para a outra margem Rio. Segundo o Coronel Manoel de Sá, do outro lado existia terra firme e grandes planícies, sendo aceito pela população.

Diante dessa mudança o Tenente Coronel Manoel Pereira de Sá fez uma exposição de nativos ao presidente da província do Amazonas, solicitando a criação do município de Manicoré. A solicitação foi concedida e pela lei provincial de Nº 362 de 4 de Julho de 1877, foi criado o município de Manicoré e o arraial foi elevado a categoria de vila com a denominação de “Vila de Nossa Senhora das Dores de Manicoré”, porém, a criação do município e da vila só foi inaugurada no dia 15 de maio de 1878.

Assim pela lei estadual Nº 137 de 4 de Maio de 1896 assinada pelo governador do estado do Amazonas, Dr. Eduardo Ribeiro, elevou a vila de Nossa Senhora das Dores à categoria de Cidade, sendo inaugurada somente no dia 15 de Agosto de 1896.

Desse momento em diante a cidade foi se desenvolvendo, principalmente, por receber um fluxo muito grande de imigrantes, especialmente, comerciantes estrangeiros como turcos, libaneses, portugueses, judeus e nordestinos. Por ocasião do ciclo da borracha, Manicoré tornou-se o “Tronco” de exportação de produtos naturais para a Europa.

Com a desvalorização da borracha, inúmeros comerciantes de Manicoré migraram para outras regiões do país, porém, a cidade já tinha seu suporte econômico garantido na agricultura e em alguns produtos naturais, tendo sua ascensão e suas quedas, sendo hoje uma das principais cidades da calha do Rio Madeira e uma das mais importantes em muitos aspectos.

Hoje a cultura do município é bastante conhecida na região e no estado do Amazonas e recebem destaques a Festa da melancia, os forrós de rua, o festival das quadrilhas e a festa do açaí que transformam as vias de cidade em verdadeiras dance-terias com coloridos especiais, sendo essas realizadas alternadamente na cidade e no interior atraindo milhares de pessoas ao município.

A principal fonte de renda da população de Manicoré provém em parte da produção agrícola, principalmente, do cultivo da banana, melancia e da produção de farinha. O comércio e os empregos gerados pela Prefeitura/Estados podem ser considerados outras fontes de renda dos manicoreenses, além do grande potencial extrativista baseado na borracha e na castanha. Atualmente o município de Manicoré é o maior produtor de banana e melancia do Estado do Amazonas.

Ao final do encontro o escritor Arindal Vinícius deixou uma composição para a apreciação de nossos leitores.

“EU CANTO”
Eu canto o meu canto como todas as aves cantam, para alegrar a natureza ou chamar a companheira distante.
Eu canto ao alvorecer, saldando um novo dia, eu canto no crepúsculo em agradecimento ao criador pelo o dia que me ofereceu com saúde e amor.
Eu canto como os rios cantam nas correntezas, eu canto para acalentar aos lagos sereno e triste.
Eu canto alegre como canta o vento nas folhagens da grande floresta, e em fim, eu canto para alegrar os desiludidos, os esquecidos por todos aqueles sem carinho e amor, é por isso que eu canto na estrada da vida o meu de sabor.


Fonte: Folha de Manicoré



Comentários